Logotipo OMI JPIC

Justiça, Paz e Integridade da Criação

Oblatos Missionários de Maria Imaculada  Província dos Estados Unidos

Logotipo da OMI
Blog
Traduza esta página:

Notícias recentes

news feed

Arquivos de notícias


Vídeo e áudio mais recentes

Mais vídeo e áudio>

ONU e ECOSOC enfrentam um desafio histórico: pe. Daniel LeBlanc, relatórios OMI

Julho 20th, 2020

Relatório do Pe. Daniel LeBlanc, Oblatos Missionários - Província dos Estados Unidos, Representante nas Nações Unidas

(O Fórum Político de Alto Nível é a plataforma central das Nações Unidas para o acompanhamento e a revisão da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.).

Na terça-feira, 7 de julho, o Fórum Político de Alto Nível (HLPF) começou com a intervenção da Presidente do Conselho Econômico e Social (ECOSOC), Mona Juul, da Noruega. O título e o subtítulo de seu discurso nos colocaram em linha com aquela que havia sido a primeira semana do fórum. O título era: “Lançar uma década de ação em tempos de crise: focar nos ODS e combater o COVID-19“. Leia mais sobre o Fórum Político de Alto Nível (HLPF): https://sustainabledevelopment.un.org/hlpf/2020

Pe. Daniel LeBlanc, OMI

A versão deste ano do HLPF foi projetada para relançar Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável e as metas de desenvolvimento sustentável após a revisão do ano passado e para marcar o 75º aniversário da fundação da Organização das Nações Unidas (ONU). No final da reunião do ano passado e até janeiro de 2020, tudo parecia um novo impulso para a Agenda e uma renovação das estruturas, tanto da ONU quanto do ECOSOC. Não podemos dizer que COVID-19 interrompeu os impulsos de renovação, mas desacelerou o ímpeto. O HLPF está sendo realizado, quase que integralmente, por meio de reuniões virtuais. Esta nova modalidade, embora represente a decisão inequívoca de seguir em frente, não deixa de representar um grau de intensidade menor do que nos anos anteriores, quando os diálogos eram presenciais.

A revisão do progresso do ODS da Agenda 2030 foi realizada este ano na perspectiva do COVID-19; ou seja, perguntando como o Coronavírus está e estará influenciando o alcance de cada objetivo. As análises foram coincidentes: muito do que foi alcançado, com muito esforço, no combate às desigualdades sociais, vai ser afetado de forma muito negativa. Crianças e adolescentes tiveram que parar de ir à escola; milhões de empregos, formais e informais, foram perdidos; há uma crise de saúde com centenas de milhares de mortes por infecções COVID-19; fomes incipientes e “futuras”, etc. Eu poderia continuar listando cada uma das 17 metas do ODS2030; todos foram afetados. Esta é uma tragédia global que está acontecendo em todos os países e afetando todas as pessoas.

Diante dessa situação catastrófica, os diálogos, apresentações e seminários realizados durante esta semana responderam de maneira unificada: o caminho para superar essa crise mundial vem do que consta da Agenda2030. O desafio é global e a resposta deve ser global, assim como a própria Agenda. Dito isto, há um segundo ponto que pode ser encontrado nos Objetivos 10 e 17 dos ODS: é necessário agir decisivamente contra as desigualdades dentro de cada país e entre países e, para isso, é necessária a colaboração internacional. O multilateralismo surge, mais uma vez, como o único caminho viável; mas o multilateralismo não se baseia na vontade de cada país de construí-lo e moldá-lo efetivamente.

Terminamos a primeira semana e começamos a segunda. O segundo período de reuniões centrou-se nos relatórios voluntários de cada país - Revisão Nacional Voluntária (VNR) - sobre a implementação da Agenda; começando com os correspondentes à Armênia, Samoa, Equador, Honduras e Eslovênia.

Vamos esperar, como todos os anos, as conclusões do HLPF-VNR, mas este ano teremos de esperar algo mais. O mundo inteiro, por país e região, está em meio ao choque causado pela COVID-19. Até que a confusão causada por esta guerra de saúde pública seja dissipada, não saberemos como o mundo está realmente reorganizado, pois estamos no meio da névoa, escalando uma grande montanha. Espero que a tão elaborada Agenda 2030 e o próprio multilateralismo da ONU sejam a resposta que encontraremos no topo.

 

Publicado em: Notícias da página, Blog

Voltar ao Topo