Logotipo OMI JPIC

Justiça, Paz e Integridade da Criação

Oblatos Missionários de Maria Imaculada  Província dos Estados Unidos

Logotipo da OMI
Notícias
Traduza esta página:

Noticias en EspaÑol

news feed

Arquivos de notícias


Vídeo e áudio mais recentes

Mais vídeo e áudio>

Arquivos de notícias »América Central e Caribe

End hide espanhol de uma página não espanhola --->

Líderes religiosos apóiam a normalização com Cuba 4 de maio de 2015

Catedral_exterior

Crédito da foto (veja abaixo)

Trinta organizações religiosas dos EUA assinaram uma carta ao Congresso pedindo o fim do embargo de décadas com Cuba. O Rev. William Antone, Provincial dos EUA, assinou contrato pelos Missionários Oblatos da USP. A carta se refere aos laços de longa data de muitas das organizações religiosas com as entidades religiosas em Cuba e cita seu apelo à normalização das relações e ao fim do embargo.

Leia a carta aqui ...

 

Crédito da foto: Krasivaja na Wikipédia em inglês [GFDL (www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/) ], via Wikimedia Commons

 


Envolvendo-se pelo impacto Março 2nd, 2015

Por que os acionistas baseados na fé se engajam em empresas de mineração? 

O Rev. Seamus Finn, OMI foi entrevistado recentemente pela SUSTAIN, uma publicação da International Finance Corporation, um braço de empréstimos do Banco Mundial que se concentra exclusivamente no setor privado. A IFC está interessada em como a Igreja se engajou nos últimos anos com a indústria extrativa. Pe. Finn esteve centralmente envolvido em reuniões de alto nível convocadas pelo Vaticano e pelo Arcebispo de Cantuária com CEOs de mineração e representantes religiosos para discutir maneiras de aumentar o respeito pelos direitos e diminuir o impacto das operações de mineração nas comunidades locais. Ele é Diretor de Investimentos Baseados na Fé do Trust de Investimento da Oblate International Pastoral (OIP) e Diretor Executivo do International Interfaith Investment Group (3iG)

Algumas das perguntas feitas na entrevista são: “Por que a igreja deveria se preocupar com extrativistas?”, “Por que justiça social por meio de investimentos?” E “Existe uma maneira de garantir a justiça social? É sempre dinâmico ou há um ponto ideal? ”

Leia o artigo completo aqui…

 

 


Crianças migrantes mexicanas esquecidas na fronteira Janeiro 22nd, 2015

Polícia de fronteira e autoridades mexicanas falham na proteção e proteção de crianças migrantes mexicanas

No ano passado, a questão das crianças da América Central que fugiam da violência ganhou as manchetes nos Estados Unidos. Mas, ao contrário dos menores desacompanhados da Guatemala, El Salvador e Honduras, as crianças mexicanas que fogem da violência raramente têm a oportunidade de contar sua história diante de um juiz de imigração. O Escritório de Washington para a América Latina (WOLA) divulgou um vídeo de investigação e um relatório sobre o tratamento de crianças migrantes mexicanas não acompanhadas detidas na fronteira EUA-México.

Todos os anos, a Patrulha de Fronteira dos EUA apreende aproximadamente crianças mexicanas desacompanhadas da 15,000. De acordo com um relatório da 2014 da Agência de Refugiados das Nações Unidas, quase 60 por cento dos menores mexicanos desacompanhados entrevistados mencionaram a violência como uma das razões para sair de casa. Mas, no 2013, menos de 5 por cento foram transferidos para o Escritório de Reinstalação de Refugiados dos EUA para serem selecionados e depois concedidos uma audiência de imigração.

Por meio de entrevistas com crianças migrantes, funcionários da Patrulha de Fronteira, autoridades mexicanas e especialistas, o vídeo da WOLA “Esquecido na Fronteira” demonstra a situação difícil das crianças mexicanas que migram para os Estados Unidos na tentativa de escapar da violência. A menos que essas crianças possam provar a um agente da Patrulha de Fronteira que enfrentam um risco confiável de perseguição ou tráfico, elas são enviadas de volta para casa.

O vídeo de WOLA destaca as histórias de menores como Esteban, um menino de 11 anos que descreve a fuga de um cartel local, atravessou a fronteira do Arizona e foi deportado pela Patrulha de Fronteira. O vídeo é acompanhado por um relatório investigativo, assim como recomendações para os governos dos EUA e do México para proteger e monitorar melhor as crianças mexicanas desacompanhadas.

Relatório: Esquecidos em La Frontera: Crianças mexicanas que fogem da violência são raramente ouvidas

Recomendações: Como os governos dos EUA e do México podem proteger melhor as crianças mexicanas desacompanhadas que fogem da violência

Interessado em seguir WOLA nas mídias sociais? Você pode encontrá-los no Twitter @WOLA_org ou link para seus Página do Facebook.

 

 

 


Avanços Importantes no Desenvolvimento de Medicamentos para SIDA Pediátrica Dezembro 3rd, 2014

moment_quoteO Dia Mundial da AIDS teve dois importantes anúncios sobre o desenvolvimento de medicamentos para a AIDS pediátricos muito necessários. Esta é uma questão sobre a qual os Oblatos e outros investidores baseados na fé Centro Inter-religioso de Responsabilidade Corporativa (ICCR) têm pressionado as empresas farmacêuticas por anos. Como a maioria dos pacientes pediátricos com AIDS está em países pobres e em desenvolvimento, o incentivo comum de mercado para o desenvolvimento de medicamentos não existe. E o desenvolvimento de medicamentos para a AIDS pediátrica, particularmente para bebês, é um desafio. Os membros da ICCR encorajaram ativamente as principais empresas farmacêuticas a participar da Pool de Patentes de Medicamentos, um mecanismo estabelecido sob os auspícios da ONU para 'agrupar' patentes de medicamentos para tornar as formulações existentes mais prontamente disponíveis para a produção de genéricos e para o desenvolvimento de combinações inovadoras de dose fixa.

Na segunda-feira, Dia Mundial da AIDS, Abbvie anunciou um acordo de licenciamento para lopinavir (LPV) e ritonavir (r), os principais medicamentos recomendados pela Organização Mundial da Saúde para crianças. A licença permitirá que outras empresas e organizações reformulem e fabricem tratamentos pediátricos LPV / r e r especialmente concebidos para distribuição em países de baixa e média renda, onde vivem 99% das crianças com HIV no mundo em desenvolvimento. [Abbvie é um spinoff dos Laboratórios Abbott que contém o negócio farmacêutico baseado em pesquisa.]

No mesmo dia, o HIV Medicines Research Industry Forum anunciou que o fórum está se juntando PEPFAR, Fundo Global, e as Iniciativa de Tratamento de HIV Pediátrico (PHTI) no recém-estabelecido “Compromisso de Ação Global com Antiretrovirais Pediátricos (ARV)” para acelerar a inovação e salvar vidas de crianças. A iniciativa foi projetada para acelerar o desenvolvimento de novas formulações de ARV pediátricos de alta prioridade para tratamento de primeira e segunda linha até 2017.

Clique aqui para ler mais "


ONGs levantam alarme sobre hidrelétrica na Guatemala Outubro 15th, 2014

Em agosto de 2013, a comunidade foi atacada e duas crianças foram mortas em retribuição por queixas de direitos humanos apresentadas pela comunidade.

IEm agosto de 2013, a comunidade foi atacada e duas crianças foram mortas em retribuição por queixas de direitos humanos apresentadas pela comunidade.

O Missionary Oblate JPIC Office se juntou a outras organizações internacionais em uma carta de preocupação ao Relator Especial da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas sobre a construção da Hidrelétrica de Santa Rita, na Guatemala. A barragem foi registrada como um projeto no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) - estabelecido no Protocolo de Kyoto da ONU - em junho de 2014. De acordo com a carta, “Numerosas violações contra as comunidades indígenas Q'eqchi´ e Poqomchí foram relatadas antes de e desde a aprovação do projeto, mais recentemente em incidentes violentos de 14 a 16 de agosto de 2014, resultando em vários ferimentos e mortes. ”

A carta observa que o Relator da Comissão Interamericana de Direitos Humanos sobre os direitos dos povos indígenas reconheceu “que as atuais licenças para mineração e usinas hidrelétricas foram concedidas sem que o Estado tivesse implementado consulta prévia, livre e informada às comunidades indígenas afetadas, como é obrigado a fazê-lo segundo os tratados internacionais assinados pela Guatemala ”.

Leia a carta…

 

Voltar ao Topo