Logotipo da OMI
Notícias
Traduza esta página:

Notícias recentes

news feed

Arquivos de notícias


Vídeo e áudio mais recentes

Mais vídeo e áudio>

Arquivo de notícias »áfrica


Protegendo os Pobres Contra a Grilagem Terrestre na África: Uma Atualização do Fundo de Compartilhamento Oblato Março 29th, 2016

Com o apoio do Oblate Sharing Fund, a nossa organização parceira Rede de Fé e Justiça na África (AFJN) com sede em Washington DC, lançou programas de conscientização educacional sobre o Grab Land em Gana. Outros programas de conscientização com base local foram lançados após conferências sobre o assunto no Quênia (2015) e Camarões.

 Gana: Campanha de Conscientização e Prevenção da Grilagem de Terra da AFJN

 A concentração de terras é um problema sério em toda a África e em vários países em desenvolvimento. Grandes empresas de investimento e corporações multinacionais fazem acordos com governos locais para cultivar terras principalmente para exportação de safras ou para extrair minerais. Esses acordos deslocam milhares de pequenos agricultores pobres, oferecem compensação inadequada aos proprietários de terras, pagam baixos salários aos trabalhadores, poluem o abastecimento de água local, privam os residentes de seus recursos naturais e ameaçam seus meios de subsistência.

 

AFJNLandGrab
Conscientização sobre Land Grab da Rede de Fé e Justiça na África
programa em Gana, África Ocidental


Organizações da Igreja realizam conferência sobre garra terrestre e governança justa na África November 23rd, 2015

Comunidade da terra de Gassol que foi alocada para a Dominion Farms na Nigéria. Foto cedida pelo Centro de Educação Ambiental e Desenvolvimento (CEED)

Grilagem de terras e governança justa discutidas em uma conferência pan-africana única de 22 a 28 de novembro, antes da visita do Papa à África.

A apropriação de terras é um problema sério em toda a África, exigindo atenção urgente, uma vez que ameaça a subsistência e a segurança alimentar. Já desalojou centenas de milhares de pessoas de suas terras, privou-as de recursos naturais e ameaçou seus meios de subsistência.

Grilagem de terras e governança justa, questões que constituem uma ameaça significativa para a soberania alimentar, serão discutidas na conferência “Grilagem de terras e governança justa na África”, de 22 a 28 de novembro em Nairóbi, Quênia, e organizada por SECAM (Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madagascar) com a colaboração de AEFJN (Rede África Fé e Justiça da África), AFJN (Rede de Fé e Justiça na África) e CIDSE (rede de agências católicas de desenvolvimento). O evento se reunirá sobre os participantes do 150 do continente africano e além, incluindo muitas pessoas diretamente envolvidas em lutas pela apropriação de terras.

A apropriação de terras é mais frequentemente descrita como a aquisição de grandes áreas de terra em países em desenvolvimento por firmas, governos ou indivíduos internacionais. Nos últimos anos, a apropriação de terras aumentou após o aumento mundial dos preços dos alimentos na 2008, levando os investidores a olhar para o Sul Global, particularmente a África, para investimentos em terra para produzir alimentos e biocombustível para exportação e mercados internacionais. Grandes extensões de terra também estão sendo adquiridas para fins especulativos, conhecidas como “land banking”, onde o comprador detém a terra e a vende mais tarde.

Entre os casos que serão apresentados durante a conferência está o do projeto italiano Senhuile SA, que arrendou 20.000 hectares de terras na Reserva Ndiaël, no Senegal, terras usadas há décadas por moradores de cerca de 40 aldeias da região. Isso resultou em um conflito contínuo com os moradores, que querem que o projeto seja interrompido. O caso dos agricultores no estado de Taraba, na Nigéria e no Quênia, que estão sendo forçados a deixar terras que cultivam há gerações para que a empresa norte-americana Dominion Farms estabeleça uma plantação de arroz, também será tema de discussão. Casos envolvendo o negócio de terras da Bollore na Costa do Marfim, Camarões, Libéria, bem como em Serra Leoa e casos de Moçambique, República Democrática do Congo e Mali também serão apresentados.

Esta conferência acontece antes da visita do Papa Francisco ao Quênia, Uganda e República Centro-Africana. O Papa já havia expressado grande preocupação com a questão da grilagem de terras. Em um discurso proferido na Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura em Roma, em junho de 2015, o Papa Francisco alertou contra a “monopolização de terras de cultivo por empresas e estados transnacionais, que não só priva os agricultores de um bem essencial, mas que afeta diretamente a soberania dos países ”. O Santo Padre também destacou que: “Já existem muitas regiões onde os alimentos produzidos vão para o estrangeiro e a população local está duplamente empobrecida, porque não tem comida nem terra”.

Outras orientações e indicações em relação aos perigos da apropriação de terras foram expressas na Encíclica do Papa Laudato Si ', na qual ele denuncia uma abordagem exploradora em relação à terra, recordando: “Para eles (comunidades indígenas), a terra não é uma mercadoria, mas antes, um presente de Deus e de seus antepassados ​​que descansam lá, um espaço sagrado com o qual eles precisam interagir para manter sua identidade e valores. Quando eles permanecem em suas terras, eles mesmos se importam com isso. No entanto, em várias partes do mundo, a pressão está sendo colocada sobre eles para abandonar suas terras natais para dar espaço para [industrial] projetos agrícolas ou de mineração que são realizados sem levar em conta a degradação da natureza e da cultura. ”(146). Em apoio a Laudato Si e à frente da conferência climática COP 21 em Paris, as conferências episcopais em todo o mundo assinaram no 22nd de outubro um apelar que pedia que a COP 21 “garantisse o acesso das pessoas à água e à terra para sistemas alimentares resistentes ao clima e sustentáveis, que dão prioridade às soluções orientadas para as pessoas em vez de lucros”.

A conferência visa desenvolver estratégias para apoiar e fortalecer as comunidades locais em suas lutas para acabar com essa ameaça e construir resiliência.

-SECAM (baseado em Accra), O Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madagascar, é uma associação de todas as Conferências Episcopais da África e suas ilhas. Desde a sua criação na 1969, a SECAM demonstrou preocupação com questões relativas ao desenvolvimento humano. Por essa razão, o SECAM estabeleceu um Departamento de Justiça, Paz e Desenvolvimento em sua Secretaria em Accra, Gana. O SECAM reúne todas as dioceses de todos os países do continente. O SECAM representa quase 20% da população total da África que é católica.

-AEFJN (com sede em Bruxelas), Africa Europe Faith & Justice network, é uma organização irmã da AFJN fundada nos mesmos valores centrais e ethos por congregações religiosas baseadas na Europa. No entanto, a AEFJN foi fundada em 1988 para promover relações econômicas mais equitativas entre a Europa e a África por meio de sua defesa na UE e atualmente tem mais de 43 congregações religiosas entre seus membros. A AEFJN concluiu recentemente estudos de caso sobre grilagem de terras e “extrativismo” no Senegal e em Madagascar, respectivamente

-AFJN (baseado em Washington), a Rede de Fé e Justiça da África, começou em 1983 como uma resposta ao que as congregações católicas missionárias testemunharam na África. A AFJN foi formada para promover relações mais responsáveis ​​e justas entre os Estados Unidos e os países da África, e para lutar contra políticas prejudiciais à África. A AFJN possui membros organizacionais 34. De seus escritórios em Washington DC, a AFJN continua seu trabalho de advocacy com legisladores do Congresso e com agências administrativas dos EUA.

- CIDSE (com sede em Bruxelas) é uma aliança internacional de agências católicas de desenvolvimento que trabalham juntas pela justiça global. Nossas 17 organizações membros da Europa e América do Norte se reúnem sob a égide da CIDSE para combater a pobreza e a desigualdade. Desafiamos governos, empresas, igrejas e organismos internacionais a adotar políticas e comportamentos que promovam os direitos humanos, a justiça social e o desenvolvimento sustentável. Encontre mais informações sobre o trabalho da CIDSE apenas em alimentos SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

 

 


Comunidade de Fé e Mineração se Engajam em um Dia de Conversação Corajosa Outubro 23rd, 2015

Padre Seamus em BishopscourtO processo de engajamento entre a indústria de mineração e a comunidade de fé deu um passo muito diferente e inovador em outubro 9th quando o arcebispo anglicano da Cidade do Cabo, o arcebispo Thabo Makgoba, apresentou uma conversa que se concentrou na mineração no sul da África e ainda mais especificamente na África do Sul. Este evento foi precedido por três dias de reflexão anteriores; dois hospedados no Vaticano pelo Cardeal Peter Turkson, e um em Lambert, em Londres, hospedados pelo arcebispo de Canterbury e pelo Presidente da Conferência Metodista Britânica. A conversa foi banhada pelos momentos tradicionais de oração do Evensong e da Eucaristia da Manhã. O evento foi inaugurado na catedral de São Jorge, o Mártir, no centro da Cidade do Cabo, e a Eucaristia da manhã foi celebrada na histórica igreja do Bom Pastor Prótea, localizada na orla de Kirstenbosch e perto do tribunal de bispos, residência do arcebispo.

O dia da conversa corajosa tinha a intenção de fornecer um espaço seguro para uma análise de múltiplas perspectivas das questões, oportunidades e desafios que a mineração na África do Sul apresenta e para explorar quais iniciativas poderiam ser empreendidas para lidar com essas realidades.

Tanto nas orações de abertura quanto em seu discurso de abertura, o arcebispo Magoba não se esquivou das realidades duras e dolorosas que a indústria encontrou e causou. No culto de abertura, foi feita a seguinte oração. O arcebispo compôs a oração durante a prolongada greve em Marikana, local de grande confronto entre mineiros e policiais em agosto de 2012, quando mais de 40 pessoas morreram.

Catedral de São Jorge, o Mártir

Senhor, ainda estamos lamentando e sofrendo. Ainda estamos procurando a verdade completa sobre Marikana. Não podemos matar e mutilar para sustentar a desigualdade. Senhor, há algo errado neste sistema econômico e nós sabemos disso. Maio proprietários, investidores e acionistas sentem a dor e saudade da paz. Os trabalhadores de maio e os proprietários de minas encontram um ao outro. Pode machucar ainda mais, a dor e os assassinatos podem ser evitados, e a política pode servir ao povo em prol da paz.

 

Em seu discurso de abertura, o arcebispo relatou suas próprias conexões com a indústria de mineração. Ele falou sobre como seu pai, “um ministro da igreja autossustentável”, viajava como vendedor de roupas pelas cidades mineiras a oeste de Joanesburgo. Ele também falou sobre sua própria experiência como psicólogo trabalhando com mineiros que sofreram lesões na medula espinhal.

Ele reconheceu que um dos passos importantes em um dia de conversas corajosas é o reconhecimento de deficiências Arcebispo Maakgobae fracassos e ele listou algumas das maneiras pelas quais as “igrejas falharam na indústria de mineração”. Estes incluíram “como a mineração arriscada é economicamente”; como não entendemos “as aspirações de pessoas que querem ganhar R12,500 por mês (cerca de US $ 920 dólares) por trabalhar em condições de calor extremo em paradas (cortar espaços abertos) a quilômetros de distância na terra”; ou as “restrições aos gerentes que enfrentam a pressão implacável de atender às expectativas dos acionistas para obter melhores resultados a cada trimestre”.

Ele sugeriu que o processo para a conversa fosse um "lamento no sentido do Livro das Lamentações no Antigo Testamento", onde nos movemos para além do umbigo olhando e expondo a nossa vulnerabilidade, mas "expondo-a como uma ferramenta para liderança, porque você pode diga vamos avançar juntos sem reconhecer os fracassos do passado ”. Ele explicou ainda que o objetivo para o dia seria alcançado se cada participante trouxesse “suas próprias preocupações e contribuições para essa conversa, e o que é de importância primordial é que cada um de nós tente se colocar no lugar daqueles com quem estamos em diálogo ”.

O Arcebispo Makgoba listou as seguintes preocupações que estavam em sua mente: minhas questões de saúde e segurança, degradação ambiental, coesão social e disparidade de riqueza. Ele pediu à mão-de-obra que analisasse os modelos para trabalhar em conjunto com a gerência e pediu à administração que “olhasse para a enorme disparidade entre remuneração de executivos e de trabalhadores”.

SouthAfricaMining

Ao longo de uma série de painéis e discussões em pequenos grupos, os participantes do 30 plus seguiram o conselho do arcebispo e foram francos e atentos às suas observações e à sua escuta. Entre as questões adicionais levantadas estavam preocupações sobre “riqueza coletiva e desigualdade de renda”; a inadequação do percentual de lucros que são devolvidos às comunidades locais de minas; e o papel do governo e a perda de sua voz na conversa (o evento coincidia com a convenção anual do partido no poder). As questões levantadas para consideração e ação incluíam os papéis e plataformas proféticos e imaginativos das igrejas; um papel para a igreja na gestão do conflito quando surge entre as partes; “Quando são lucros excessivos imorais”; maior transparência da indústria, especialmente com as comunidades locais; e desenvolvimento de um conjunto acordado de princípios de melhores práticas para o envolvimento da comunidade.

O dia terminou com uma série de promessas de ação sendo oferecidas e aceitas tanto pela indústria quanto pela igreja. Estes abrangeram projetos muito específicos em níveis de comunidade local do local da mina, bem como desenvolver um instituto forte e capaz que poderia servir como um recurso imparcial e parte para lutar com muitos dos problemas que só poderiam ser identificados e brevemente considerados durante o curso do dia . Isso incluiu questões e preocupações que são muito locais e imediatas, bem como as questões transversais mais amplas de emprego, energia, tecnologia e meio ambiente que estão presentes em comunidades em todo o país e no mundo.


Oblatos Missionários no Zimbábue: “furo de água limpa” é uma tábua de salvação entregue. Julho 14th, 2015

CIMG1857 [1]

Pe. Charles Rensburg, OMI com líderes comunitários Bhomela no Zimbábue

Recentemente, uma paróquia católica de Santa Maria das Dores, na Virgínia, Estados Unidos, doou para a comunidade local em Bhomela, no Zimbábue. Esta doação generosa permitiu que as pessoas de Bhomela pudessem obter um furo para o fornecimento de água potável e ajudar no desenvolvimento de iniciativas agrícolas locais durante a estação seca prolongada. A comunidade de Bhomela é uma igreja missionária para os Oblatos Missionários do Zimbábue de Maria Imaculada.

“Muitas crianças sofrem de doenças transmitidas pela água, bem como de desnutrição na área de Bhomela. Este projeto de poço irá percorrer um longo caminho para aliviar esses problemas e desenvolver iniciativas de 'auto-ajuda' para resolver os problemas locais ”, disse o Oblato Missionário do Zimbábue, pe. Charles Rensburg, OMI falando em nome da comunidade local.

“As palavras não podem começar a descrever a alegria da comunidade em ter recebido uma 'linha vital' de água para toda a aldeia. O furo será mantido pela comunidade católica local enquanto, ao mesmo tempo, foi concedido acesso completo a toda a aldeia de mais de 3000 pessoas. ”


Relatório JPIC Outono / Inverno 2014 Emissão Agora Disponível On-Line 17 de setembro de 2014

JPIC-Report-logoA edição de outono / inverno 2014 do JPIC Report agora está disponível on-line como um PDF. Em breve estará disponível em formato impresso.

Por favor, entre em contato com Mary O'Herron no Escritório JPIC se você quiser ser adicionado à lista de discussão.

Você pode encontrar todas as edições do Relatório JPIC neste site na seção Recursos. (Baixe um PDF da última edição)

 

Voltar ao Topo