Logotipo da OMI
Notícias
Traduza esta página:

Notícias recentes

news feed

Arquivos de notícias


Vídeo e áudio mais recentes

Mais vídeo e áudio>

Arquivo de notícias »seamus finn


Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos Janeiro 1st, 2012

Leia o pe. Último blog do Huffington Post de Seamus Finn na Princípios Orientadores sobre Empresas e os Direitos Humanos recentemente endossada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU. Os princípios foram desenvolvidos para oferecer orientação para a implementação do Estrutura de “proteger, respeitar e remediar”, introduzido pela primeira vez pelo representante especial John Ruggie em 2008. Eles fornecem recomendações muito práticas e concretas sobre como operacionalizar o quadro, que foi construído em torno dos seguintes três pilares centrais:

  • Os Estados têm a responsabilidade de proteger contra abusos de direitos humanos por parte de terceiros, inclusive corporações;
  • As empresas têm a responsabilidade de respeitar os direitos humanos;
  • As vítimas de abusos dos direitos humanos devem ter liberdade para acessar remédios eficazes.

Saber mais…


Ativistas de acionistas com base na fé perfilados no NY Times 14 de Novembro de 2011

Foto da Associated Press

Grupos religiosos têm trabalhado por meio do Interfaith Center on Corporate Responsibility por 40 anos para encorajar as empresas a 'fazer a coisa certa' pelas pessoas e pelo meio ambiente. Irmã Nora Nash, das Irmãs de São Francisco da Filadélfia e ativa no ativismo de acionistas baseado na fé desde os anos 1980, foi retratada na edição de domingo do New York Times. Ela explicou o envolvimento deles assim: “Não estamos aqui para rebaixar as empresas. Estamos aqui para melhorar seu senso de responsabilidade”.

Seamus Finn, OMI - também profundamente envolvido nos diálogos do ICCR com os bancos, bem como outros setores corporativos, foi citado no artigo: “As empresas aprenderam com o tempo que os problemas que trazemos não são frívolos”, disse o Rev. Seamus P. Finn, 61, um padre baseado em Washington com os Missionários Oblatos de Maria Imaculada e membro da diretoria do Interfaith Center. “No final de cada transação, existem pessoas que são impactadas positivamente ou negativamente e tentamos explicar isso a elas.”

Saber mais…


Sugestões do Vaticano para a reforma financeira foram debatidas 8 de Novembro de 2011

Fr. Seamus Finn argumenta no The Wall Street Journal que as mudanças regulatórias globais sugeridas pelo Vaticano poderiam ajudar o sistema financeiro global a funcionar de forma mais justa:

“Robert A. Sirico's “The Vatican's Monetary Wisdom” (op-ed, 27 de outubro) elogia corretamente a análise das causas da crise financeira que foi incluída na declaração do Vaticano sobre a reforma do sistema financeiro. Sua rejeição sumária das respostas sugeridas no documento afirma claramente que nenhuma autoridade reguladora soberana ou internacional está à altura da tarefa de regular os principais atores do setor financeiro. Devemos então acreditar que eles mesmos farão isso?

Não acabamos de experimentar as consequências da desregulamentação, da arbitragem regulatória e da captura de representantes eleitos e assembléias por bancos e associações do setor? Maior cooperação, coordenação e colaboração entre reguladores e autoridades soberanas, como sugeriu o Vaticano, é um passo na direção certa se o público deseja ter um sistema financeiro seguro, estável e justo que seja digno de sua confiança e de suas transações ”.

O Rev. Seamus P. Finn OMI

 


Re-ocupando a rua principal Novembro 2nd, 2011

Acredito que existem analogias e lições a serem tiradas da cidadania responsável em exibição pelos manifestantes em todo o mundo, e a posse responsável exercida pelos acionistas ativos nas corporações.

Leia o pe. O mais recente blog de Finn no Huffington Post…


Centro Inter-religioso de Responsabilidade Corporativa: celebrando um legado e renovando uma promessa! Outubro 12th, 2011

O último blog de Seamus Finn no Huffington Post analisa o legado de 40 anos do Interfaith Center on Corporate Responsibility (ICCR):

“Em 1971, um pequeno grupo de crentes decidiu estabelecer o Centro Inter-religioso para Responsabilidade Corporativa para facilitar e coordenar seus esforços para envolver e desafiar as corporações dos EUA que tinham presença na África do Sul. O sistema de governo do apartheid já estava bem entrincheirado e eles buscavam ferramentas e oportunidades que pudessem se juntar ao coro de defensores que trabalhavam para desmantelar o sistema do apartheid. Seu objetivo era muito simples; pedir e defender que as empresas americanas se retirem da África do Sul e, portanto, privem o governo de qualquer um dos produtos ou receitas fiscais que permitiram que seu sistema de governo continuasse ”.

Leia o blog…

Voltar ao Topo